Incêndio na Bélgica levanta questões sobre segurança e custos dos sistemas de Íon-Lítio

Um incêndio em novembro de 2017, no primeiro parque de armazenamento de energia com baterias Íon-lítio conectado à rede elétrica na Bélgica, levanta questões importantes sobre a segurança e custos dessas baterias para sistemas auxiliares à rede de alta tensão.

A estabilidade e a dissipação térmica continuam sendo uma preocupação com as baterias Íon-Lítio, que atualmente são produzidas em massa para muitas aplicações, desde armazenamento de energia até mobilidade e produtos eletrônicos para o consumidor final.

As baterias Íon-Lítio requerem sistemas complexos de gerenciamento térmico e segurança. No Brasil, essa é uma preocupação ainda maior, já que a maioria dos locais com potencial para receber sistemas de armazenamento de energia são remotos e estão sujeitos à altas temperaturas ambiente.

Além dos exemplos bem documentados de incêndios em eletrônicos para o varejo causados por baterias Íon-Lítio mal gerenciadas, incêndios químicos como o da Bélgica mostraram que as baterias Íon-Lítio usadas em sistemas auxiliares à rede de alta tensão podem ser perigosas e caras.

Leia o artigo completo (em inglês):

Energy Storage Journal: Belgium Li-Ion fire cause still unknown two months later